Encontre no blog

19 agosto 2013

Músicas de aproximação: Brahms remix

Minha experiência dentro da escola regular me ensinou que é possível gostar de todo tipo de música: sim, nós professores podemos gostar das músicas que os alunos ouvem, assim como nossos alunos podem gostar da música que a gente ouve. E isso não tem nada a ver com a música ser boa ou ser ruim. Ter qualidade estética ou poética. Tem música que mexe com a gente e tem música que não.

Da mesma forma, aprendi também que, muitas vezes, nossos alunos dizem que odeiam música clássica (ou qualquer coisa que não seja o que eles ouvem) porque não conhecem, ou porque eles não foram apresentados da forma mais correta.

Por exemplo, quando você vai apresentar uma pessoa para alguém, você prepara esse alguém antes, dizendo as coisas que elas têm em comum, falando porque é possível gostar dessa pessoa, etc. Quando queremos apresentar uma nova música para nossos alunos, devemos fazer o mesmo: mostrar o que há em comum entre o aluno e aquela música, mostrar o que aquela música tem de bom. Afinal, a propaganda é a alma do negócio, não é?


Essa semana eu estava em um barzinho com família e amigos, quando a tv que estava passando vídeo clipes me chamou a atenção: estava passando um clip de uma versão super moderninha da Dança Húngara de Brahms. Simplesmente fiquei admirada e assisti o clip até o final, ignorando todos que estavam comigo.

A questão do uso ou não da música erudita no ensino regular é bastante comentada. Uns dizem que não, óbvio, porque é preciso fazer uso da música popular ou da música que o aluno ouve; outros dizem sim, claro, precisamos levar cultura para as escolas! Eu digo: tudo é bem vindo, muito obrigada.

Uma coisa que eu gosto de tomar bastante cuidado é com a forma com que eu planejo apresentar uma música para os meu alunos: dependendo de como eu fizer isso, eles podem nunca mais se interessar por aquele gênero musical, principalmente quando se trata de alunos de escolas na periferia, e música erudita.

Já tive a chance de realizar alguns trabalhos nesse sentido, e minha técnica de "aproximar" o aluno da música antes de apresentá-la foi incrivelmente bem sucedida. Por exemplo, antes de apresentar a Toccata and Fugue do Bach, por que não mostrar Black Diamond do Stratovarius? Por que não mostrar um vídeo do Tom e Jerry antes de apresentar O Morcego de Strauss? E se a gente apresentasse o Bolero de Ravel com essa animação super divertida?

A música que eu ouvi no barzinho, sem dúvidas, é uma música que pode ser usada para essa aproximação: É atual, toca nas baladas, tem um clip que, de certa forma, é coerente com o contexto histórico da música original - e eu particularmente achei super divertido!

Ficaram curiosos? Então vejam o remix e em seguida a versão clássica.





O que acharam? Conhecem outras músicas/arranjos que podem servir para fazer essa aproximação? Compartilhe com a gente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário